Oito: Dr. John L. (Jack) Michael, Parte 1

O oitavo pesquisador do Projeto é o Professor Doutor John L. (Jack) Michael, mais conhecido como Jack Michael. De acordo com o site da ABAI, Michael é professor emérito da notável Western Michigan University (WMU), onde lecionou e formou grandes nomes da Análise do Comportamento; contribuiu imensamente para diversas questões conceituais na área, a saber: reforçamento negativo, reforçamento automático, comportamento verbal e motivação. Se hoje é possível trabalhar na área do Autismo com o ensino de linguagem baseado no trabalho de Skinner sobre comportamento verbal, muito temos a agradecer ao Dr. Jack Michael.

2005MichaelFigura 1– Jack Michael (Fonte: site da ABAI)

As contribuições de Jack Michael para o estudo da Motivação se refletem de várias formas: por exemplo, ao lidar com um tema tão tradicional da Psicologia, o pesquisador i) transfere o foco da origem da Motivação do organismo para o ambiente; ii) apresenta uma descrição da Motivação como variável independente no estudo do comportamento; e iii) auxilia na explicação dos efeitos transitórios das consequências reforçadoras ao identificar variáveis motivacionais;  ainda, contribuiu iv) para a promoção da pesquisa aplicada; e v) para o melhor entendimento da função do comportamento na prática clínica (Miguel, 2013).

Post27foto1
Trecho 1 – Passagem extraída do artigo de Sundberg Thirty Points About Motivation From Skinner’s Book Verbal Behavior (2013), traduzida pela autora.

Post27foto2Trecho 2 – Passagem extraída do artigo de Miguel Jack Michael’s Motivation (2013), traduzida pela autora.

Em sua carreira, diversas publicações tornaram-se notáveis ao promover o refinamento conceitual envolvendo variáveis motivacionais. Por exemplo, em 1982 o pesquisador publicava o artigo Distinguishing between discriminative and motivating functions of stimuli, onde ressaltou a importância da inclusão do estudo dessas variáveis – ou seja, para além da tríplice contingência – para uma explicação efetiva do comportamento; 2) em 1988, em Establishing operations and the mand, sugere a inclusão do conceito de operações estabelecedoras para a definição do conceito de mando; e 3) em 1993, em Establishing operations, uma retomada dos conceitos relacionados a variáveis motivadoras é feita de forma descritiva e detalhada, de modo a favorecer a identificação dessas variáveis e sua manipulação para fins teóricos e práticos. Para conhecer mais sobre o desenvolvimento histórico das propostas de Jack Michael sobre o tema, recomenda-se a leitura do artigo Jack Michael’s Motivation (2013), do Dr. Caio F. Miguel.

A publicação mais recente e atualizada de Jack Michael sobre variáveis motivacionais provavelmente é o capítulo entitulado Motivating Operations, escrito como contribuição para o notável livro Applied Behavior Analysis (2007), de Cooper, Heron e Heward. A categoria mais ampla para tratar do tema é nomeada agora Operações Motivadoras (em inglês, Motivating Operations, ou MOs), que abrange as subcategorias Operações Estabelecedoras (em inglês, Establishing Operations, ou EOs) e Operações Abolidoras (em inglês, Abolishing Operations, ou AOs), distinguindo-as em termos de seus efeitos de alteração de valor e efeito de alteração de  comportamento. Em outras palavras, uma Operação Motivadora “é uma variável ambiental que momentaneamente muda o valor de um estímulo consequente (e.g. reforçador, punidor) e muda a probabilidade dos membros dessa classe funcional de resposta.” (Nosik & Carr, 2015).

Nas palavras de Michael (2007), uma Operação Motivadora “(a) altera a efetividade de um estímulo como reforçador, o efeito alterador de valor; e (b) altera a frequência atual de todo comportamento que foi reforçado por esse estímulo, o efeito alterador de comportamento.” (Michael, 2007, p.389). Sobre o efeito alterador de valor, pode ocorrer tanto um aumento na efetividade reforçadora de um estímulo (processo conhecido como Operação Estabelecedora) quanto uma diminuição na efetividade reforçadora de um estímulo (Operação Abolidora). Sobre o efeito alterador de comportamento, quando se tem um aumento na frequência atual do comportamento, denomina-se efeito evocativo (“evocative effect”); diante de um decréscimo na frequência, tem-se um efeito abatido (“abative effect”).

O capítulo de Michael (2007) é realmente uma compilação didática sobre os temas relacionados à Motivação a partir de uma perspectiva analítico-comportamental; é dividido em 5 partes e contempla os seguintes tópicos: Definição e Características das Operações Motivadoras (MOs), Distinção entre MOs e relações de Discriminação, tipos de Operações Motivadoras Incondicionadas (UMOs) e Condicionadas (CMOs), e implicações das MOs para a Análise do Comportamento. 

É possível destacar ainda que conceitos como os de Operações Motivadoras colocam os analistas do comportamento sob controle de novas variáveis a serem consideradas em seu trabalho experimental ou aplicado; o conceito de Operações Motivadoras não só permite a identificação de variáveis ambientais relevantes como também relativiza a efetividade dos estímulos, demonstrando mais uma vez que dentro da nossa ciência as relações comportamentais são analisadas sob um pano de fundo que não é absoluto, mas sim relativo e contextual.

Finalmente, diante de tantas mudanças conceituais na área – e considerando, inclusive, a ampla disseminação do termo Operações Estabelecedoras para se referir ao campo da Motivação -, é possível questionar se a mudança mais recente – isto é, a proposta para a denominação do termo Operações Motivadoras como a categoria mais ampla – foi incoporada; ao que indicam Miguel (2013) e Nosik & Carr (2015), há evidências de que o termo Operações Motivadoras tem sido utilizado por analistas do comportamento desde então.

Nota 1: É possível encontrar na literatura sobre o tema o uso dos termos “motivacional” e “motivadora” de forma intercambiável. No presente texto, optou-se por traduzir o termo “Motivating Operations” como “Operações Motivadoras” e o termo “motivational variables” como “variáveis motivacionais”.

Referências:

Fellows of ABAI – John L. (Jack) Michael. Disponível em https://www.abainternational.org/constituents/bios/jackmichael.aspx

Michael, J. (2005). Motivating operations. Em J. O. Cooper, T. E. Heron, & W. L. Heward, Applied behavior analysis (2nd ed.) Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall/Merrill.

Miguel, C. F. (2013). Jack Michael’s Motivation. The Analysis of Verbal Behavior, 3, pp.3-11.

Nosik, M. R.; Carr, J. E. (2015). On the Distinction Between the Motivating Operation and Setting Event Concepts. Behavior Analyst, 38, pp.219-223.

Sundberg, M. L. (2013). Thirty Points About Motivation From Skinner’s Book Verbal Behavior. The Analysis of Verbal Behavior, 29, pp.13-40.


Leia mais sobre o Desafio Número 8:
Como promover a Motivação a partir de uma perspectiva científica?
Oito: Dr. John L. (Jack) Michael, Parte 2


Leia mais sobre o Projeto a Fonte e a Ponte e a Análise do Comportamento:
a Apresentação
o Início dos Resultados
Por que eu deveria aprender sobre a ciência do comportamento?
as Profundezas do Método

Anúncios

Um Comentário

  1. Pingback: Novos Fellows of ABAI 2016 « a Fonte e a Ponte


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s