Três: Dr. M. Jackson Marr, Parte 2

Em uma postagem anterior (Parte 1), foram apresentados os resultados da leitura de um artigo do Professor Doutor M. Jackson Marr. Na sequência, serão relatados os resultados do contato com o pesquisador.

Muito gentilmente, o Dr. M. Jackson Marr respondeu o primeiro e-mail e topou participar com o envio das respostas e com a autorização para divulgação no blog. Comentou ainda que tem muitos amigos e colegas no Brasil e que estaria interessado em responder as questões. Assim, foram enviadas as seguintes perguntas:

1) Por que sou um analista do comportamento?

2) Vamos supor que você tem o superpoder de aproximar a Análise do Comportamento de outra ciência ou campo de conhecimento. Qual ciência ou campo você escolheria?

Relato na sequência (em português e em inglês) as respostas do Professor.

Por que sou um analista do comportamento?

Eu vim para a análise do comportamento através de uma rota muito tortuosa. Minha formação de base é em ciências naturais, matemática, e um tanto de engenharia. Até meu treinamento de graduação em psicologia teve essa orientação. Quando eu fui para a pós-graduação eu vi pela primeira vez um laboratório de condicionamento operante e eu estava imediatadamente impressionado pela forma como esse trabalho (incluindo todas as habilidades técnicas envolvidas) refletia uma abordagem da ciência natural para o comportamento. Meus interesses lá eram em esquemas de reforçamento e farmacologia comportamental, e esses permaneceram como meu foco de pesquisa primário por muito de meu começo de carreira. Eu não tinha realmente muito interesse nos aspectos conceituais/filosóficos do campo até em algum momento na década de 80 quando eu fui introduzido a abordagens primariamente Wittgensteinianas que estimularam meu interesse em o que isso poderia significar para falar a respeito de uma ciência do comportamento. Questões desse tipo continuam a me interessar.

Sua segunda questão é fácil: Comportamento é um aspecto biológico dos organismos (o que mais?!) e nosso campo representa apenas um de muitos aspectos da ciência biológica, de processos evolutivos até interações moleculares — nenhum desses é primário ou poderia ser compreendido sem saber como eles se relacionam com os outros.”


Para tentar eliminar qualquer viés ou limitação da tradução – ou para quem preferir ler em inglês –  apresento abaixo as perguntas e as respostas originais:

Questions:

“Why are you a behavior analyst?”

“Let’s say that you have the super power of bringing together Behavior Analysis and another science or field of knowledge. What science or field would you choose?”

Answers:

“Why am I a behavior analyst?  

I came to behavior analysis via a very circuitous route.  My background is in the natural sciences, mathematics, and some engineering.  Even my undergraduate training in psychology had this orientation.  When I went to graduate school I saw my first operant conditioning lab and was immediately stuck by how this work (including all the technical skills needed) reflected a natural science approach to behavior.  My interests there was in schedules of reinforcement and behavioral pharmacology and these remained my primary research foci for much of my early career.  I did not really have much interest in the conceptual/philosophical aspects of the field until sometime in the 80’s when I was introduced to primarily Wittgensteinian approaches which spurred my interest in what it might mean to talk about a science of behavior.  Questions of this kind continue to concern me.

Your second question is easy: Behavior is a biological feature of organisms (what else?!) and our field represents just one of many aspects of biological science from evolutionary processes to molecular interactions–none of these are primary or could be understood without knowing how they relate to the others.”

O que achou das respostas do Professor Marr? Deixe sua mensagem (em português ou em inglês, no modo privado ou público – mais informações em Contato) para o pesquisador; alguns feedbacks serão reunidos, traduzidos e enviados para Jackson Maar, para que ele também tenha contato com o produto final de sua valiosa participação no Projeto.

Pesquisador Número 3 concluído! Na próxima postagem, apresento um prólogo sobre o assunto estudado pelo próximo pesquisador.


Leia mais sobre o Desafio Número 3:
Enigma número 1
Três: Dr. M. Jackson Marr, Parte 1


Leia mais sobre o Projeto a Fonte e a Ponte e a Análise do Comportamento:
a Apresentação
o Início dos Resultados
Por que eu deveria aprender sobre a ciência do comportamento?
as Profundezas do Método

Anúncios

Um Comentário

  1. Pingback: Novos Fellows of ABAI 2016 « a Fonte e a Ponte


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s