as Profundezas do Método

O estudo do primeiro pesquisador do Projeto já começou. E, para finalizar esse primeiro desafio, foi preciso estruturar como serão estabelecidos os contatos com os(as) profissionais. No caso de envio de e-mails, convencionou-se que serão feitas duas perguntas para cada analista do comportamento: 1) uma pergunta-padrão, a ser enviada a todos; 2) e uma outra pergunta de caráter mais específico, relacionada ao trabalho desenvolvido por ele(a). Tais decisões metodológicas estão baseadas na escolha por: i) uma abordagem direta, simples e breve, sensível à conveniência e à disponibilidade do(a) profissional; ii) uma pergunta-padrão, que verse sobre a Análise do Comportamento, que permita também acumular respostas diferentes para uma mesma questão; e, por fim, iii) através da segunda pergunta, ter uma oportunidade para perguntar sobre algum aspecto mais específico do trabalho do(a) profissional.

Muitas dúvidas para escolher a pergunta-padrão: diante de tantas curiosidades, que caminho escolher? Aí lembrei de uma palestra que assisti no meu primeiro (♥) Encontro da ABPMC (Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental), em 2009, que foi apresentada pelo Professor Roberto Banaco (Palestra Revisitando a ABPMC: Podemos nos beneficiar das descobertas da Ciência do Comportamento? Em XVIII Encontro Brasileiro de Psicologia e Medicina Comportamental). Tiveram que trazer rodos, panos e baldes para conter alagamentos, pois quem estava lá chorou quilômetros. Boatos de que os encontros da ABPMC não voltarão tão cedo para Campinas só porque ainda estão tentando enxugar o chão. A palestra, se bem me lembro, acabou adotando um tom de “motivos que me fizeram tornar um analista do comportamento”; e o relato genuíno e a sensibilidade do Prof. Banaco – como é usual – emocionou o público, de várias gerações.

Não poderia ser diferente: a pergunta-padrão escolhida foi “Por que sou um(a) analista do comportamento?” – que pode reunir, dentro de um relato, um tanto de história pessoal, paixão e descobertas.

Post6foto1Trecho 1 – Passagem extraída do livro de Eliot Four Quartets, traduzida pela autora.

Por fim, cabe uma última nota sobre método em relação à apresentação dos resultados: assim como a pergunta-padrão, a segunda pergunta será também reflexiva, e poderá tomar um tempo para ser respondida; ainda, os(as) profissionais que gentilmente estão topando participar podem ter uma rotina atribulada. Diante dessas condições, nem sempre será possível apresentar os resultados dos contatos com os(as) profissionais a tempo do lançamento da postagem. A fim de manter o progresso do Projeto e respeitar o tempo de cada profissional, optou-se por seguir a cronologia das postagens; assim, mesmo que o(a) profissional tenha topado participar e não consiga mandar a resposta a tempo da publicação, a postagem será lançada descrevendo o status do contato; assim que o(a) profissional responder – o que pode ocorrer a qualquer momento do Projeto – será lançada nova postagem com as novas informações fornecidas pelo(a) profissional.

Na próxima postagem irei apresentar os resultados do contato estabelecido com o Professor Brian A. Iwata.

Post6capa

 (Foto: Fernanda Oda)


Leia mais sobre o Projeto a Fonte e a Ponte e a Análise do Comportamento:
a Apresentação
o Início dos Resultados
Por que eu deveria aprender sobre a ciência do comportamento?

Anúncios

  1. Pingback: Altruísmo e Análise do Comportamento: um modelo experimental « a Fonte e a Ponte

  2. Pingback: Dez: Dr. Edmund J. Fantino, Parte 1 « a Fonte e a Ponte

  3. Pingback: Dez: Dr. Edmund J. Fantino, Parte 2 « a Fonte e a Ponte

  4. Pingback: As 7 Dimensões da Análise Aplicada do Comportamento « a Fonte e a Ponte

  5. Pingback: Onze: Dr. Todd R. Risley, Parte 1 « a Fonte e a Ponte

  6. Pingback: Onze: Dr. Todd R. Risley, Parte 2 « a Fonte e a Ponte

  7. Pingback: O trabalho visível e o trabalho invisível « a Fonte e a Ponte

  8. Pingback: Doze: Dr. Aubrey C. Daniels, Parte 1 « a Fonte e a Ponte

  9. Pingback: Doze: Dr. Aubrey C. Daniels, Parte 2 « a Fonte e a Ponte

  10. Pingback: Hobbies: um bem necessário « a Fonte e a Ponte

  11. Pingback: Treze: Dr. Murray Sidman, Parte 1 « a Fonte e a Ponte

  12. Pingback: Treze: Dr. Murray Sidman, Parte 2 « a Fonte e a Ponte

  13. Pingback: O cientista enquanto leitor « a Fonte e a Ponte

  14. Pingback: Quatorze: Dr. A. Charles Catania, Parte 1 « a Fonte e a Ponte

  15. Pingback: Quatorze: Dr. A. Charles Catania, Parte 2 « a Fonte e a Ponte

  16. Pingback: A prática do “Home Lab” como estratégia de ensino de princípios de aprendizagem « a Fonte e a Ponte

  17. Pingback: Quinze: Dr. Gerald L. Shook, Parte 1 « a Fonte e a Ponte


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s